A EDUCAÇÃO PELA ÓTICA DA MULHER PRIVADA DE LIBERDADE NO ESTADO DO AMAPÁ

Autores

  • Josiane Pantoja Ferreira Universidade Federal do Amapá
  • Roberto de Souza Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Educação. Mulher-presa. Direitos. Alunas-detentas.

Resumo

Este artigo é o resultado do trabalho final do Curso de Especialização em Docência para a Educação Penitenciária, ofertado pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), o qual buscou analisar a influência da educação escolar através da visão da mulher privada de liberdade na Penitenciária Feminina do Estado do Amapá. O instrumento de coleta de dados foi o grupo focal, pelo fato de ser o que mais se adéqua com o objetivo estabelecido, onde, por meio das discussões no grupo focal foi possível identificar como as mulheres encarceradas avaliam o ensino que estão recebendo na Escola Estadual São José, escola está localizada no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (IAPEN). O Grupo Focal foi realizado com 04 (quatro) mulheres privadas de liberdade que estudam. A partir das análises concluiu-se que diante de toda a adversidade na concretização do direito à educação, as mulheres-presas reconhecem a importância da educação para sua vida, sendo o caminho para garantir ou acessar os direitos sociais, o que de alguma forma já contribui para sua vivência no ambiente intramuros, bem como amplia as perspectivas de sucesso para o retorno à sociedade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Almiro Alves de. Entre grades: um estudo sobre a educação penitenciária no Amapá. 2008. 130f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2008.

AMAPÁ, Governo do Estado do. Boletim Interno do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá. 2018.

ARROYO, Miguel Gonzáles. A educação de jovens e adultos em tempo de exclusão. In: Construção coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos. Brasília: UNESCO, MEC, RAAB, 2005.

BAUER, M W.; GASKELL, G. Trad. Pedrinho Guareschi. Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

BRASIL. Lei nº 7.210 de 11 de julho de 1984. Lei de Execução Penal. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 11 jul.1984. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7210. htm>. Acesso em: 26 jul. 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CEB Nº 02 de 19 de Maio de 2010. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Brasília: MEC, 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=14906&Itemid=866>. Acesso em: 30 jul.2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Sistema Integrado de Informações Penitenciárias. Brasília: Ministério da Justiça, 2017. Disponível em: Acesso em: 26 jul.2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Levantamento nacional de informações penitenciárias infopen – junho de 2016. Brasília. Ministério da justiça, Departamento penitenciário nacional, 2017.

BRAUNSTEIN, Hélio Roberto. Ética do cuidado: das instituições de cuidado e pseudo cuidado. 2012, 216f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde- 21082012-160819/pt-br.php. Acesso em: 23 de mar 2020.

DANTAS, Gilson. Breve introdução ao capital de Karl Marx. Brasília: Ícone, 2008.

DEBUS, M. Manual para excelência en la investigacion mediante grupos focales. Washington: Academy for Educational Development, 1997.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 7. ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Paz e Terra, 2018.

FREIRE, Paulo. Política e educação. 8. ed. Indaiatuba, SP: Villa das Letras, 2007.

MOURA, Maria Juruena de. Mulher, tráfico de drogas e prisão. Fortaleza: EdUECE; EDMETA, 2012.

NEVES, E. S. Minha história conto eu: escola e cultura prisional em instituição carcerária no Amapá. 2017. 189f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2017.

PELANDRÉ, Nilcéa Lemos. Ensinar e aprender com Paulo Freire: 40 horas 40 anos depois. São Paulo: Cortez, 2002.

SILVA, Roberto da. A eficácia sociopedagógica da pena de privação da liberdade. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 1, p. 33-48, jan./mar. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v41n1/1517-9702-ep-41-1-0033.pdf. Acesso em: 22 de jan. 2019.

SILVA, Roberto da. Didática no cárcere II: entender a natureza para entender o ser humano e seu mundo. São Paulo: Giostri, 2018.

SILVA, Roberto da. Os filhos do governo. São Paulo: Ática, 1997.

VASQUEZ, Eliane Leal. Sociedade Cativa Entre Cultura Escola e Cultura Prisional: uma incursão pela ciência penitenciária. 2008. 163f. Dissertação (Mestrado História da Ciência) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: https://tede2. pucsp.br/handle/handle/13381. Acesso em: 10 de novembro de 2018.

Publicado

2021-09-08

Como Citar

Pantoja Ferreira, J., & de Souza, R. (2021). A EDUCAÇÃO PELA ÓTICA DA MULHER PRIVADA DE LIBERDADE NO ESTADO DO AMAPÁ. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 2(2). Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/149