Visitas Técnicas em Prisões, Preconceitos e Estigmas:

descobrindo as gaiolas que nos prendem

Autores

  • Arlindo Lourenço Universidade Sagrado Coração (USC)
  • Cristiane Universidade Federal de São Paulo
  • Carlos Eduardo Associação para Profissionalização, Orientação e Integração do Excepcional (APOIE)
  • Fernanda Universidade Nove de Julho - UNINOVE
  • Samanta Universidade Nove de Julho
  • Thárcila Universidade Nove de Julho

Palavras-chave:

Prisões, Preconceito, Crítica social

Resumo

Este artigo trata das experiências de um grupo de estudantes da graduação em Psicologia quando desenvolveu pesquisa de Iniciação Científica em 2017, sobre os estigmas e os preconceitos relacionados à vida no cárcere, em visita à instituição. A instituição prisional deixa sua marca de exclusão nas pessoas encarceradas, que são percebidas como à margem da sociedade, refugos humanos e dejetos sociais. Os efeitos funestos do aprisionamento não estão circunscritos às pessoas que cumprem penas de prisão, mas são extensivos aos funcionários, seus familiares e à própria sociedade. O resultado das experiências de visita à prisão possibilitou descrições objetivas e reais sobre o cárcere, seu impacto nas pessoas e o papel contraditório de uma instituição que visa intimidar e punir, mais que reintegrar. Ressalta-se a importância de adentrar o cárcere para compreender e ampliar as sensibilidades psicossociais às demandas que estão relacionadas a este ambiente paradoxal e possibilitar o desenvolvimento de uma visão ético-crítica, social e política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane, Universidade Federal de São Paulo

Psicóloga colaboradora do Projeto de Extensão e Cultura Veredas - Psicanálise e Imigração, do IP-USP. Psicanalista. Tradutora e Intérprete. Mestranda em Psicologia na Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista.

https://orcid.org/0000-0003-0494-5696

Carlos Eduardo, Associação para Profissionalização, Orientação e Integração do Excepcional (APOIE)

Graduado em Psicologia, pós-graduando em saúde pública, atua no terceiro setor com adultos e idosos, deficientes intelectuais, e como psicoterapeuta.

https://orcid.org/0000-0003-3307-4455

Fernanda, Universidade Nove de Julho - UNINOVE

Psicóloga em percurso psicanalítico. O mergulho no sofrimento humano é rotina. Entusiasta da poesia. Costuma dizer que escreve bem e lê melhor ainda.

https://orcid.org/0000-0001-8171-6606

Samanta, Universidade Nove de Julho

Psicóloga, bacharel em História, professora voluntária em presídio, em formação na especialização em TCC e atuante em outros projetos infanto-juvenil.

Thárcila, Universidade Nove de Julho

Graduada em psicologia. Aluna bolsista de Iniciação Científica no Laboratório de Psicologia Experimental da USP.

Referências

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge. Zahar, Ed., 2006. Título original: Dialektik der Aufklärung: Philosophische Fragmente.

A GENTE. Dirigido por Aly Muritiba. Grafo Audiovisual, 2013. 1 DVD.

BAUMAN, Zigmunt. O mal-estar na pós-modernidade. Tradutores: Mauro Gama; Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

CORBIN, Alan; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História do Corpo. As mutações do olhar: o século XX. 4. ed. Tradutor e revisor: Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Rio de Janeiro, 2011.

CROCHÍK, José Leon. Preconceito e inclusão. WebMosaica. Revista do instituto cultural judaico Marc Chagall. ISSN: 2175-6163, v.3, n.1, jan-jun, 2011, Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/webmosaica/article/view/22359/13016. Acesso em: 25 fev. 2021.

CROCHÍK, José. Leon. Preconceito, indivíduo e sociedade. Temas em psicologia. ISSN 1413-389X, 4(3), 47-70, 1996. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1996000300004. Acesso em: 25 fev. 2021.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Nascimento da Prisão. 2. ed. Tradutor: Raquel Ramalhete. Petrópolis, Editora Vozes, 2004. Título original: Surveiller et Punir: Naissance de la prison.

GOFFMAN, Erwing. Manicômios, prisões e conventos. 8. ed. Tradutor: Dante Moreira Leite. São Paulo, Editora Perspectiva, 2008. Coleção: Debates; 91 / dirigida por J. Guinsburg. Título original: Asylums - Essays on the social situation of mental patients and other ínmates).

_________. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Tradutora: Márcia Bandeira de Melo Leite Nunes. Rio de Janeiro: LCT, 1988. (Trabalho original publicado em 1963. Título original: Stigma: notes on the Management of Spoiled Identity).

HEINE, Heinrich. Os Deuses no Exílio. Vários tradutores. 1. reimpr. São Paulo: Iluminuras, 2011. Coleção Biblioteca Pólen/dirigida por Rubens Rodrigues Torres Filho.

IBRAHIM, Elza. O manicômio judiciário do Rio de Janeiro: hospital ou prisão? Arq. bras. Psic., Rio de Janeiro, 41(3), 101-106, 1989. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abp/article/view/21709/20462. Acesso em 24 fev. 2021.

Publicado

2021-04-08

Como Citar

Lourenço, A., Cruz, C., Borbolla, C., Carvalho, F., Buratto, S., & Oliveira, T. (2021). Visitas Técnicas em Prisões, Preconceitos e Estigmas: : descobrindo as gaiolas que nos prendem. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 2(1), 293-312. Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/339