Programa “Daqui pra Frente” – Trabalho com homens autores de violência doméstica

Autores

  • Terezinha Kulka Prefeitura Municipal de São Jose dos Pinhais - Secretaria Municipal de Assistência Social
  • Lucimar Leonel Pereira Rocha Prefeitura Municipal de São Jose dos Pinhais - Secretaria Municipal de Assistência Social
  • Raphael Ernani Rigoti Prefeitura Municipal de São Jose dos Pinhais - Secretaria Municipal de Assistência Social

Resumo

A Lei Maria da Penha, 11.340/96 criou mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher propondo a criação de uma rede de atenção à mulher em situação de violência, com ações articuladas, de forma intersetorial e interdisciplinar. O Programa “Daqui Pra Frente” tem como objetivo  promover a sensibilização e a reflexão em relação à violência doméstica contra as mulheres, propiciando a ruptura do ciclo da violência, previsto no artigo 35 da referida lei. As reflexões, discussões acontecem em grupos, de 07 encontros com duração de 04 horas, além da triagem/acolhimento. Cada encontro é dirigido por profissionais de diferentes áreas de conhecimento. Teve início em agosto de 2016, está no 17º grupo,    225 homens concluíram e  90% é parceiro íntimo/amoroso da vítima e 81% tem filhos.  O programa  é   de  extrema relevância social e jurídica.

 

Palavras-chave:  violência. homem. grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Terezinha Kulka, Prefeitura Municipal de São Jose dos Pinhais - Secretaria Municipal de Assistência Social

Psicóloga da Secretaria Municipal de Assistência Social. Mestre em Psicologia Forense pela Universidade Tuiuti do Paraná. Coordenadora do Programa “Daqui pra Frente”. E-mail: terezinha.kulka@sjp.pr.gov.br

Lucimar Leonel Pereira Rocha, Prefeitura Municipal de São Jose dos Pinhais - Secretaria Municipal de Assistência Social

Psicóloga da Secretaria Municipal de Assistência Social. Graduação em Psicologia (Faculdade Newton Paiva-BH/ MG). Especialização em Direito Aplicado ao Sistema Único de Assistência Social (ITECNE). Co-coordenadora do Programa “Daqui pra Frente”. E - mail lucimar.rocha@sjp.pr.gov.br

Raphael Ernani Rigoti, Prefeitura Municipal de São Jose dos Pinhais - Secretaria Municipal de Assistência Social

Pedagogo da Secretaria Municipal de Assistência Social. Bacharel em Ciências Biológicas (UFPR). Licenciatura em Pedagogia (UCB). Especialista em Tecnologias e Educação a Distância Pós-Graduação (UNICID). Integrante do Programa “Daqui pra Frente”. E-mail: raphael.rigoti@sjp.pr.gov.br

Referências

ALGERI, Simone; SOUZA, Luccas Melo. Violência contra crianças e adolescentes: um desafio no cotidiano da equipe de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2006, 14(4), 625-631.

BRASIL Lei Maria da Penha Lei n° 11.340 2006. Coibe a violência doméstica e familiar contra a Mulher Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República Brasilia DF.

CARRASCO, Leanira Kesseli. A mulher vítima de violência conjugal: Uma perspectiva transgeracional. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre (PUCRS), Porto Alegre. 2003.

FINKELHOR, David; SHATTUCk, Anne; TURNER, Heather; ORMROD, Richard; HAMBY, Sherry. Polyvictimization in developmental context. Journal of Child & Adolescent Trauma. 2011,4, 291-300.

GUARÁ, Isa Maria Ferreira da Rosa. Abrigo - comunidade de acolhida e socioeducação. In: BAPTISTA, Myrian, Veras (org.). Abrigo: comunidade de acolhida e socioeducação. São Paulo: Instituto Camargo Corrêa, 2006, v. 1, p. 63-72

MUSKAT, Malvina Ester. Mediação de Conflitos. Pacificando e prevenindo a violência. São Paulo Sumus Editora 2002.

RIFIOTIS, Theophilos. Judicialização das relações sociais e estratégias de reconhecimento: repensando a violência conjugal e a violência intrafamiliar. Revista Kata, II(2), 2008, 225-236.

VICENTE, Reginandréa Gomes. Como é que eu resolvo este caso? Intervenções alternativas nos casos de violência conjugal. In: MUSZKAY, Malvina Ester, Mediação de Conflitos pacificando e prevenindo a violência. Summus editorial.2003.

LESSARD, Geneviève.; ALVAREZ-LIZOTTE, Pamela. The exposure of children to intimate partner violence: partner violence: Potenctial bridges between two fields in research and psychosocial intervention. Child Abuse & Neglect, 2015, 48 29-38.

SILVA, Anne Caroline Luz Grüdtner da; COELHO, Elza Berger Salema; NJAINE, Kathie. Violência conjugal: as controvérsias no relato dos parceiros íntimos em inquéritos policiais. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2014, 19(4), 24-38.

VILLANUEVA, Sabina Deza. (2012). ¿Por qué las mujere perman en relaciones de violencia? Why women remain inrelations of violence? Av. Psicol. 20 (1)

WALKER, Leonore. The battered woman. New York. Harper. 1979

Publicado

2020-09-03

Como Citar

Kulka, T., Leonel Pereira Rocha, L., & Ernani Rigoti, R. (2020). Programa “Daqui pra Frente” – Trabalho com homens autores de violência doméstica. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 1(2), 199-214. Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/relatos3

Edição

Seção

Relatos de Experiências e Boas Práticas