GRÁVIDAS E PUÉRPERAS EM SITUAÇÃO DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE:

Avaliação do atendimento pré e pós-parto

Autores

  • Gessica Aline dos Santos Leal Psicóloga, Mestre em Psicologia. Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Celina Maria Colino Magalhães Psicóloga, Doutora em Psicologia . Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Daisy Medeiros de Oliveira Pereira Psicóloga, Mestranda em Psicologia. Universidade Federal do Pará (UFPA)

Resumo

Através deste trabalho apresenta-se um relato às práticas de atenção à saúde
obstétrica da mulher privada de liberdade, no sistema penitenciário do Pará. A
pesquisa buscou revelar a avaliação de mulheres grávidas e puérperas acerca da
assistência à saúde recebida durante o pré e pós-parto. Participaram 22 mulheres
que vivenciaram a maternidade no cárcere, cujos dados foram coletados por meio
de um questionário. As mulheres entrevistadas eram jovens, pardas, multíparas,
oriundas do interior do estado, com baixa escolaridade, foram presas por tráfico
de drogas e pré-natal adequado (59%). Os familiares não foram informados
sobre o trabalho de parto. Durante a internação não houve uso de algemas. Cerca
de 80% consideram ter recebido um bom atendimento ao parto, porém ainda
existem mulheres sofrendo violência por parte dos profissionais de saúde e agentes
penitenciários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORDALO, Alípio Augusto. Estudo Transversal e/ou longitudinal. Revista Paraense de Medicina, Belém, v. 20, n. 4, p. 5, out./dez. 2006.

BRASIL. Lei n. 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial da União. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11108.htm. Acesso em: 29 jun. 2021.

BRASIL. Lei n. 11.942, de 28 de maio de 2009. Dá nova redação aos arts. 14, 83 e 89 da Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 – Lei de Execução Penal, para assegurar às mães presas e aos recém-nascidos condições mínimas de assistência. Diário Oficial da União. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-010/2009/Lei/L11942.htm. Acesso em: 29 jun. 2021.

BRASIL. Lei n. 13.434, de 12 de abril de 2017. Acrescenta parágrafo único ao art. 292 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941, para vedar o uso de algemas em mulheres grávidas durante o parto e em mulheres durante a fase de puerpério imediato. Diário Oficial da União. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&data=13/04/2017&pagina=1. Acesso em: 29 jun. 2021.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Relatório temático sobre mulheres privadas de liberdade – junho de 2017. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, Departamento Penitenciário Nacional, 2019. 82 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional. Brasília: Fiocruz Pantanal, 2014. 95 p. Disponível em: http://www.as.saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/2016/06/Cartilha-PNAISP.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

BRASIL. Mulheres Encarceradas - Diagnóstico Nacional. Consolidação dos Dados Fornecidos pelas Unidades de Federação. Brasília: Departamento Nacional Penitenciário, 2008.

CORTINA, Monica Ovinski de Camargo. Mulheres e tráfico de drogas: aprisionamento e criminologia feminista. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 761-778, set./dez. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-026X2015v23n3p761. Acesso em: 29 jun. 2021.

CRUZ, Edson Júnior Silva da. Desenvolvimento e temperamento de bebês em contextos institucionais. 2018. 194 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2018. Disponível em: https://ppgp.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/teses/Edson%20Cruz%20Tese.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

D’EÇA, Aline. Filhos do Cárcere. Salvador: Edufba, 2010. 162 p.

DELZIOVO, Carmem Regina; OLIVEIRA, Caroline; JESUS, Luciana; COELHO, Elza Berger. Atenção à saúde da mulher privada de liberdade. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2015. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/7427/1/Saude_Mulher.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

DIAS, Polyana Magna Lima; BARROS, Simone Regina Alves de Freitas; FALCÃO, Pedro Henrique de Barros. Aspectos da violência obstétrica no Brasil. Archives of Health, Curitiba, v. 2. n. 2, p. 263-275, mai./jun. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.46919/archv2n3-006.

DUARTE, Anielly Raianny da Silva; DA SILVA, Elaine Cristina Diniz; SANTOS, Vanessa Érica da Silva; AVELINO, Luiza Fernanda Leal; TARGINO, Gilliard Cruz. Mulheres no tráfico de drogas no brasil: o estudo da mulher no âmbito social e sua inserção no tráfico de entorpecentes.

Revista Brasileira de Direito e Gestão Pública, [S.l.], v. 8, n. 2, p. 298-307, abr. 2020.

FERNANDES, Daniele Cristina Alves; FERNANDES, Helder Matheus Alves; BARBOSA, Elane da Silva. Reflexões sobre o direito à saúde das gestantes e puérperas no sistema prisional. Revista Saúde Multidisciplinar, [S.l.], v. 7, n. 1, 2020. Disponível em: http://revistas.famp.edu.br/revistasaudemultidisciplinar/article/view/102. Acesso em: 29 jun. 2021.

FREITAS, Cláudia Regina. O cárcere feminino: do surgimento às recentes modificações introduzidas pela lei de execução penal. Revista da Faculdade de Direito Arnaldo Janssen, Belo Horizonte, v. 4, n. 4, p. 125-145, jan./dez. 2012.

KATZ, Leila; AMORIM, Melania Maria; GIORDANO, Juliana Camargo; BASTOS, Maria Helena; BRILHANTE, Aline Veras Morais. Quem tem medo da violência obstétrica? Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 20, n. 2, p. 623-626, abr./jun. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-93042020000200017.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003. 310 p.

LEAL, Géssica Aline dos Santos. Responsividade materna durante o banho e amamentação: análise da interação mãe-bebê no cárcere. 2018. 221 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2018. Disponível em: https://ppgtpc.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/dissertacoes/G%C3%A9ssica%20Aline%20Dos%20Santos%20Leal.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

LEAL, Maria do Carmo; AYRES, Barbara Vasques da Silva; PEREIRA, Ana Paula Esteves; SÁNCHEZ, Alexandra Roma; LAROUZÉ, Bernard. Nascer na prisão: gestação e parto atrás das grades no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, [S.l.], v. 21, n. 7, p. 2061-2070, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.02592016.

MATOS, Khesia Kelly Cardoso; SILVA, Susanne Pinheiro Costa; NASCIMENTO, Emanuela de Araújo. Filhos do cárcere: representações sociais de mulheres sobre parir na prisão. Interface, Botucatu, v. 23, e180028, jul. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/Interface.180028.

OKADA, Mayana Saraiva Bezerra. Maternidade no cárcere: cuidados básicos. 2016. 90 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2016. Disponível em: http://www.repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/11297. Acesso em: 29 jun. 2021.

OLIVEIRA, Beatriz Aparecida; COSTA, Lucivânia Ventura da. Cárcere Feminino: uma análise do sistema prisional no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ASSISTENTES SOCIAIS, 16., 2019, Brasília. Anais eletrônicos. Brasília: ABEPSS, CRESS-DF, 2020. Disponível em: https://broseguini.bonino.com.br/ojs/index.php/ CBAS/article/view/1315. Acesso em: 29 jun. 2021.

OLIVEIRA, Marina Lima. “Parir e encontrar-se consigo e com o que vem depois”: maternagem e modos de enfrentamento da Violência obstétrica na prisão. 2019. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2019.

PINTO, Rosa Maria, MICHELETTI; Fátima Aparecida, BERNARDES; Luzana, FERNANDES, Joice Maria; MONTEIRO, Gisela Vasconcelos; SILVA, Magda Lucia; BARREIRA, Tânia Maria; MAKHOUL, Aparecida; COHN, Amélia. Condição feminina de mulheres chefes de família em situação de vulnerabilidade social. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 105, p. 167-179, jan./mar. 2011.

SANTANA, Ariane Teixeira; OLIVEIRA, Gleide Regina de Sousa Almeida; BISPO, Tânia Christiane Ferreira. Mães do cárcere: vivências de gestantes frente à assistência no pré-natal. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 40, n. 1, p. 38-54, jan./mar. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-66282011000100010.

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. SEAP em número – agosto. Belém, SEAP, 2020. 17 p. Disponível em: http://www.seap.pa.gov.br/sites/default/files/agosto_2020_pc.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

SOUSA, Sávia Lorena Barreto Carvalho de; NERY, Inez Sampaio. Peso de Ser Mulher: As Políticas Públicas na Conciliação Entre lar e Trabalho. Revista FSA, Teresina, v. 16, n. 2, p. 296-317, mar./abr. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12819/2019.16.2.16.

VARGAS, Bruna Krause de; FALCKE, Denise. Criminalizadas e/ou vulneráveis? A trajetória no crime de mulheres aprisionadas por tráfico de drogas. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 55, p. 195-214, jul./ dez. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.7755.

Publicado

2021-09-08

Como Citar

Aline dos Santos Leal, G. ., Maria Colino Magalhães, C., & Medeiros de Oliveira Pereira, D. . (2021). GRÁVIDAS E PUÉRPERAS EM SITUAÇÃO DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE:: Avaliação do atendimento pré e pós-parto. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 2(2). Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/279

Edição

Seção

Relatos de Experiências e Boas Práticas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##