Do Previsto ao Possível:

percepções de profissionais de saúde sobre as capacitações ao ingressarem profissionalmente no sistema prisional, Mato Grosso

Autores

  • Weslen S. Padilha Universidade Federal de Mato Grosso
  • Reni A. Barsaglini Universidade Federal de Mato Grosso

Palavras-chave:

Capacitação, Formação em Saúde, Sistema Prisional

Resumo

As capacitações para profissionais de saúde nas unidades prisionais, com destaque àquelas de ingresso, são necessárias ao saber fazer técnico, político e ético. Este artigo visa compreender as percepções de profissionais de saúde sobre as capacitações ao ingressarem profissionalmente no Sistema Prisional, Mato Grosso. Pelo método qualitativo, os dados de entrevistas com 22 profissionais de saúde, foram tratados pela análise temática. Quando não ofertadas capacitações de ingresso os profissionais são impelidos à qualificação pela experiência por si. Tais capacitações passam a ser ofertadas em meio a indutores políticos e institucionais, destacando a aprendizagem como mentoria e no trabalho. As demandas do Sistema Prisional requerem atuação crítica, reflexiva, criativa, ética e comprometida com a saúde como direito social sendo a qualificação profissional requisito para sua concretização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, M.A; RIBEIRO, F.F; SAMPAIO, R.F. Potencial de mudança nas práticas de saúde: a percepção de trabalhadores de uma Rede de Reabilitação em (trans)formação. Fisioter Pesqui, 2016, v. 23, n. 2, p.185-92.

BARSAGLINI, R.A; KEHRIG, R.T; ARRUDA, M.B. Análise da percepção de gestores sobre a gestão da política de saúde penitenciária em Mato Grosso, Brasil. Saúde Soc. São Paulo, 2015, v. 24, n. 4, p. 1119-1136.

BARSAGLINI, R.A. Saúde penitenciária: experiência de profissionais atuantes na atenção em unidades prisionais localizadas em Cuiabá/MT e na gestão das ações no nível central. Relatório de pesquisa. 2016.

BARSAGLINI, R.A.; BIATO, E.CA.L. In: MACHADO. Marcos William Kaspchak. (Org.). Impactos das tecnologias nas ciências humanas e sociais aplicadas 5 [recurso eletrônico]. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2019, p.165-176.

BOTTI, S.H.O; REGO, S. Preceptor, Supervisor, Tutor e Mentor: Quais são seus papéis? Revista Brasileira de Educação Médica, 2008, vol. 32, n. 3, p. 363 – 373.

BRASIL, Lei 7.210, de 11 de junho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União. 13 jul 1984.

______, Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 1.777, de 09 de setembro de 2003a. Aprova o Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário, destinado a prover a atenção integral à saúde da população prisional confinada em unidades masculinas e femininas, bem como nas psiquiátricas. Diário Oficial União nº 64, de 4 de abr de 2002, Seção 1, página 40.

______, Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Resolução Nº 07, de 14 de abril de 2003b. Dispõe as Diretrizes Básicas para as Ações de Saúde nos Sistemas Penitenciários. Diário Oficial União nº 78, de 24 de abril de 2003. Seção I pág 46.

______, Ministério da Saúde. Gestão da Educação em Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, DF: 2009a.

______,Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. O HumanizaSUS na atenção básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009b.

______, Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 1, de 2 de janeiro de 2014. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (PNAISP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial União nº 2, de 3 de jan 2014. Seção 1, pág. 18.

______, Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – Infopen – Junho / 2016. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, 2017.

______, Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? 1ª. ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

DAHMER, T.M.P. Segurança e disciplina. Rio de Janeiro: Ed. Mimeo. 1992.

KLEBA, M.E; COLLISELLI L; DUTRA A.T; MÜLLER ES. Trilha interpretativa como estratégia de educação em saúde: potencial para o trabalho multiprofissional e intersetorial. Interface Comunicação Saúde Educação, 2016, vol. 20, n. 56, p. 217-26.

L’ABBATE, S. Comunicação e educação: Uma prática de saúde. In: Agir em Saúde: Um Desafio para o Público (E. E. Merhy & R. Onocko, org.), São Paulo: Editora Hucitec/Buenos Aires: Lugar Editorial, 1997, p. 267-292.

______, Educação e serviços de saúde: avaliando a capacitação dos profissionais. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1999, vol. 15, n. 2, p. 15-27.

LOPES, V.A. Experiência de profissionais de saúde em unidade prisionais em Cuiabá/MT Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Cuiabá, MT, 2014.

MERHY, E. O Ato de Cuidar: a Alma dos Serviços de Saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de gestão da Educação na Saúde. VER–SUS Brasil: cadernos de textos. Brasília: Ministério da Saúde. 2004, p. 108-137.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

PADILHA, W.S Capacitação em saúde no Sistema Prisional: instituição legal e percepções de gestores e profissionais de saúde atuantes em Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Cuiabá, MT, 2018.

PAIM, J.S; ALMEIDA-FILHO, N. Reforma Sanitária Brasileira em perspectiva e o SUS. In: __: teoria e prática. Rio de Janeiro: MedBook, 2014, p. 97-119.

SCHRAIBER, L. B; A Qualidade dos Serviços e a Capacitação Profissional. Texto do Curso de Aprimoramento Integrado em Recursos Humanos, Saúde Mental e Saúde do Trabalhador. Convênio CEFOR/SMSSP/FMUSP. São Paulo. Ed. Mimeo. 1991.

SIQUEIRA, I.L.C.P; KURCGANT P. Estratégia de capacitação de enfermeiros recém-admitidos em unidades de internação geral. Rev Esc Enferm USP, 2005, vol. 39, n. 3, p. 251-257.

Publicado

2021-04-08

Como Citar

Santana Padilha, W., & Aparecida Barsaglini, R. (2021). Do Previsto ao Possível:: percepções de profissionais de saúde sobre as capacitações ao ingressarem profissionalmente no sistema prisional, Mato Grosso. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 2(1), 89-105. Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/295