ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER:

Um relato de experiência nas unidades prisionais catarinenses

Autores

  • Juliana Coelho de Campos Enfermeira. Mestre em Enfermagem pela UDESC/OESTE. Coordenadora de Projetos Especiais da SAP/SC
  • Denise Antunes Azambuja Zocche Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela UFRGS. Professora Adjunta na UDESC/OESTE
  • Tatiani Todero Enfermeira. Hospital Helios Park-Klinikum, Leipzig Alemanha

Palavras-chave:

Violência doméstica. Prisões. Educação permanente.

Resumo

A violência doméstica tornou-se um problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Este relato de experiência apresenta as ações desenvolvidas de educação permanente em saúde na prevenção da violência doméstica contra a mulher. Trata-se de um estudo quantitativo descritivo e qualitativo exploratório desenvolvido com os servidores das unidades prisionais, pessoas privadas de liberdade e seus familiares, problematizando a violência doméstica. As ações foram realizadas no mês de agosto, em 46 unidades prisionais e envolveram 4.839 pessoas a partir da realização de rodas de conversa, apresentações de teatros, palestras, elaboração e entrega de cartilhas e folhetos informativos sobre o tema. O grande desafio dessa ação foi a sensibilização dos gestores prisionais em explanar um tema ainda pouco discutido entre as pessoas privadas de liberdade comprovando assim sua relevância social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326/0. Acesso em: 14 jul. 2021.

BRASIL. Câmara dos deputados. Lei Maria da Penha nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, que dispõe sobre mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010. 34 p.

BRASIL. Ministério da mulher, da família e dos direitos humanos. Violência doméstica é a causa de dois terços das denúncias de agressões contra a mulher, 2016. Disponível em: https://www. gov.br/mdh/pt-br/noticias-spm/noticias/podeparar-violencia-domestica-e-causa-de-dois-tercos-das-denuncias-de-agressoes-contra-a-mulher. Acesso em: 01 jul. 2021.

BRASIL. IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira, 2016. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. Acesso em: 07 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente (PNEPS). 2004. [online]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/trabalho-educacao-e-qualificacao/gestao-da-educacao/qualificacao-profissional/40695-politica-nacional-de-educacao-permanente-pneps. Acesso em: 15 set. 2019.

CAPUTI, Jane; RUSSEL, Diana E. H. Femicide: sexist terrorism against women. In: RADFORD, Jill; RUSSEL, Diana E. H. F. Femicidio: la política de matar mujeres. Nueva York: Twayne, 1992.

ELLSBERG, Mary et al. Prevention of violence against women and girls: what does the evidence say? The Lancet, Londres, v. 385, n. 9977, 18-24, abril de 2015. p. 1555-1566.

FEDERICI. Silvia. O Ponto Zero da Revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FERREIRA, Lorena; BARBOSA, Júlia Saraiva de Almeida; ESPOSTI, Carolina Dutra Degli; CRUZ, Marly Marques da. Educação Permanente em Saúde na atenção primária: uma revisão integrativa da literatura. Saúde debate; v. 43, n. 120, p. 223-239, jan./mar, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v43n120/0103- 1104-sdeb-43-120-0223.pdf. Acesso em: 15 set. 2019.

GUIMARÃES, Maisa Campos Guimarães; PEDROZA, Regina Lúcia Sucupira. Violência contra a mulher: problematizando definições teóricas, filosóficas e jurídicas. Psicologia & Sociedade, Brasília, v. 27, n. 2, p. 256-266. Disponível em: http://www.scielo.br/ pdf/psoc/v27n2/1807-0310-psoc-27-02-00256.pdf. Acesso em: 17 set. 2019.

INSTITUTO INTERAMERICANO DE DERECHOS HUMANOS (IIDH). Informe regional. Situación y análisis del femicidio en la región centroamericana Consejo Centroamericano de Procuradores de Derechos Humanos, 2006. Disponível em: http://apps.who.int/iris/ bitstream/10665/77421/1/WHO_RHR_12.38_eng.pdf. Acesso em: 14 jul. 2021.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Atlas da Violência 2020, 2020.

LAGARDE, M. Del femicidio al feminicidio. Revista de Psicoanálisis, Bogotá, n. 6, p. 216-225, 2006. Disponível em: https:// revistas.unal.edu.co/index.php/jardin/article/view/8343. Acesso em: 07 dez. 2020.

MENEGHEL, Stela Nazareth; PORTELLA, Ana Paula. Feminicídios: conceitos, tipos e cenários. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 9, p. 3077-3086, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script= sci_arttext & pid=S1413-81232017002903077. Acesso em: 19 ago. 2019.

MERHY, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.

MOURA, A. F.; LIMA, M. G. A reinvenção da roda: roda de conversa: um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v. 23, n. 1, p. 98-106, jan./jun. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/18338. Acesso em: 10 jul. 2021.

NSC. Casos de feminicídios crescem 40,9% em Santa Catarina. 2019. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/casos-de-feminicidios-crescem-409-em-santa-catarina. Acesso em: 14 nov. 2019.

Organização das Nações Unidas (ONU). Violência contra a mulher é um grave problema de saúde pública, alerta OPAS, 2017. Disponível em: https://nacoesunidas.org/violencia-contra-a-mulher-e-grave-problema-de-saude-publica-alerta-opas/. Acesso em: 05 set. 2019.

PALUMINO, Kim Clesio Freitas. Violência contra a mulher. Disponível em: https://direitodiario.com.br/violencia-contra-a-mulher. Acesso em: 20 ago. 2019.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. 2 ed. São Paulo, 2015. 160 p.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa. Cartilha pelo fim da violência doméstica contra a mulher, 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/programas/pro-equidade/pdf/folder-pelo-fim-da-violencia-contra-a-mulher. Acesso em: 10 set. 2019.

SILVA, Jean Patrício da. Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: o que conquistamos e o que podemos conquistar. Pernambuco: Biblioteca Central da Sesp, 2015. 8 p. Disponível em: https://www.iesp.edu.br/sistema/uploads/arquivos/publicacoes/direitos-humanos-lei-maria-da-penha.pdf. Acesso em: 19 set. 2019.

SILVA, Sérgio Gomes da. Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicol. Cienc, Brasília, v. 30, n. 3, set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php. Acesso em: 19 set. 2019.

SIQUEIRA, Aline Cardoso et al. Oficinas de prevenção à violência: trabalhando com mães no contexto escolar. Psicologia Escolar e Educacional [online], v. 19, n. 2, 2015. Acesso em: 15 jul. 2021.

Publicado

2021-09-08

Como Citar

Coelho de Campos, J., Antunes Azambuja Zocche, D., & Todero, T. . (2021). ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER: : Um relato de experiência nas unidades prisionais catarinenses. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 2(2). Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/209

Edição

Seção

Relatos de Experiências e Boas Práticas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##