Cárcere Feminino: Uma Análise das Visitas no Estabelecimento Penal Feminino Irmã Irma Zorzi

Autores

  • Clarice Felipe Bezerra
  • Andrea Flores

Palavras-chave:

Presídio Feminino, Direito de Visitas, Estabelecimento Penal Feminino Irmã Irma Zorzi

Resumo

O presente estudo busca se aproximar à realidade do cárcere feminino no Estabelecimento Penal Feminino Irmã Irma Zorzi (EPFIIZ), localizado em Campo Grande/MS, com o objetivo de compreender o amparo estatal relativo ao direito de visitas das mulheres privadas de liberdade. É destacada a legislação pertinente ao direito de visitas e os instrumentos de utilização do Estado para cumprimento da lei. Foram utilizadas produções bibliográficas acerca do tema, buscando identificar a composição histórica da mulher infratora, dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (INFOPEN), a legislação e informações e dados locais. O estudo concluiu que o EPFIIZ, cumpre com as principais regulamentações internas para efetivação do direito, mas possui um baixo índice de visitas, bem como, não há medidas de resolução da demanda de mulheres que possuem seus familiares distantes do local onde cumpre pena e medidas de atenção as visitas de mulheres presas vítimas de violência domésticas e seus agressores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGOTTI, Bruna. Entre as Leis da Ciência do Estado e de Deus: O surgimento dos presídios femininos no Brasil. 2. ed. San Miguel de Tucumán: Universidad Nacional de Tucumán, 2018.

BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Rio de Janeiro. 7 dez. 1940. DOU de 31 dez. 1940.

_____. Decreto-lei nº 3.689, de 03 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. DOU de 13 de out. 1941.

_____. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. DOU de 13 jul. 1984.

_____. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constituição.htm>. Acesso em: 10 ago. 2020.

_____. Grupo de Trabalho Interministerial: Reorganização e Reformulação do Sistema Prisional Feminino – Relatório Final. Brasília, DF: Ministério da Justiça, dez. 2007. Disponível em: <http://ittc.org.br/wp-content/uploads/2013/09/git_mulheres.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2020.

_____. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 7.764-B, de 2014. Disponível em: < https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=619480#:~:text=PL%207764%2F2014%20Inteiro%20teor&text=Altera%C3%A7%C3%A3o%2C%20Lei%20de%20Execu%C3%A7%C3%A3o%20Penal,x%2C%20crit%C3%A9rios%2C%20revista%20manual>. Acesso em: 15 out. 2020.

_____. Supremo Tribunal Federal. ADPF 247: Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental. Relator Ministro Marco Aurélio Mello. Brasília, set. 2015. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=10300665>. Acesso em: 17 de abr. 2020.

_____. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Relatório Temático Sobre Mulheres Privadas de Liberdade – Junho de 2017. Disponível em: <http://depen.gov.br/DEPEN/ depen/sisdepen/infopen-mulheres/copy_of_Infopenmulheresjunho2017.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2020.

_____. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciária – Dezembro de 2019. Atualizado em 09 abr. 2020. Disponível em: <https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiZTlkZGJjODQtNmJlMi00OTJhLWFlMDktNzRlNmFkNTM0MWI3IiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9>. Acesso em: 17 abr. 2020.

_____. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – Período de Julho a Dezembro de 2019. Atualizado em 25 jun. 2020. Disponível em: <https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiMmU4ODAwNTAtY2IyMS00OW JiLWE3ZTgtZGNjY2ZhNTYzZDliIiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9>. Acesso em: 02 ago. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Regras de Bangkok - Regras das Nações Unidas Para o Tratamento de Mulheres Presas e Medidas Não Privativas de Liberdade Para Mulheres Infratoras. 2016. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/wpcontent/uploads/2016/09/cd8b c11ffdcbc397c32eecdc40afbb74.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2020.

JESUS, Amanda Costa Freitas de, [et.al]. O Significado e a Vivência do Abandono Familiar Para as Presidiárias. Ciência e Saúde, Rio Grande do Sul, 8, n. 1, p. 19-25, 2015.

LOMBROSO, Cesare; FERRERO, Guglielmo. Criminal Woman, the Prostitute and the Normal Woman. Translated by Nicole Hahn Rafter. Duke University Press: Durham and London, 2004.

MATO GROSSO DO SUL. Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário. Portaria nº 24, de 17 de setembro de 2018. Disponível em: < http://www.agepen.ms.gov.br/wp-content/uploads/2019/01/PORTARIA-N%C2%BA-24.pdf>.

MATO GROSSO DO SUL. Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário. Portaria nº 34, de 15 de abril de 2019. Disponível em: <http://www.agepen.ms.gov.br/wp-content/uploads/2019/04/PORTARIA-NORMATIVA-N%C2%BA-34.2019-visita.pdf>.

MENDES, Soraia da Rosa. Criminologia Feminista: novos paradigmas. São Paulo: Saraiva, 2017.

MIRANDA, Jorge. A Dignidade da Pessoa Humana e a Unidade Valorativa do Sistema de Direitos Fundamentais. Revista Justitia, São Paulo, v. 67, n. 201, jan./dez. 2010.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Prisão: um paradoxo social. Florianópolis: Ed. Da UFSC. Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984, p. 237.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Compilação de Instrumentos Internacionais de Direitos Humanos. 1 ed. Disponível em: <http://acnudh.org/wp-content/uploads/2011/06/Compilation-of-HR-instruments-and-general-comments-2009-PDHJTimor-Leste-portugues.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2020.

PINTO, Guaraci; HIRDES, Alice. O processo de Institucionalização de Detentos: Perspectivas de Reabilitação e Reinserção Social. Esc. Anna Nery R. Enferm., v. 10, n. 4, p. 678-683, dez, 2006.

VARELLA, Draúzio. Prisioneiras. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

ZAFFARONI, Eugenio Raul. A Questão Criminal. Tradução de Sérgio Lamarão. 1. Ed. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2013.

ZEDNER, L. Wayward Sister: The prison for Woman. In: MORRIS, N; ROTHMAN, D. The Oxford History of the Prison: The Practice of Punishment in Western Society. New York/Oxford: Oxford University Press, 1995. p. 329- 361.

Publicado

2022-03-07

Como Citar

Felipe Bezerra, C., & Flores, A. . (2022). Cárcere Feminino: Uma Análise das Visitas no Estabelecimento Penal Feminino Irmã Irma Zorzi. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 3(1), 83-105. Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/411