O Trabalho como Instrumento de Ressocialização:

ações no âmbito do Patronato Penitenciário de Cascavel

Autores

  • Marcio Issler Patronato Penitenciário de de Cascavel
  • Carolaine Souza Santos UNIOESTE
  • Dr. Valdecir Soligo Programa de pós graduação em educação – PPGE, campus de Cascavel

Palavras-chave:

Patronato, Egresso do Sistema Penal, Mercado de Trabalho

Resumo

 O Programa Patronato de Cascavel é um órgão de Execução Penal que objetiva a fiscalização e o acompanhamento das Alternativas Penais conforme disposição da Lei de Execução Penal, Lei n.º 7.210 (BRASIL, 1984). O Programa possui uma equipe de trabalho multidisciplinar composta por profissionais/acadêmicos das áreas de Administração, Direito, Pedagogia, Psicologia e Serviço Social. O texto objetiva abordar a reinserção social do egresso do sistema prisional no mercado de trabalho, a partir da experiência oriunda do desenvolvimento do Projeto Trabalhar, sob responsabilidade do setor de pedagogia. Visa também destacar a relevância da atuação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) em parceria com o (DEPEN), bem como da equipe multidisciplinar, e, dentre esses, do pedagogo no espaço de educação não escolar tendo em vista uma sociedade mais justa, igualitária e democrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Issler, Patronato Penitenciário de de Cascavel

Mestre em Educação (UNIOESTE)
Pedagogo – Patronato Penitenciário de Cascavel
e-mail: marcioissler@hotmail.com

Carolaine Souza Santos, UNIOESTE

Graduanda em Pedagogia – Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)
E-mail: carolainesouza16@outlook.com

Dr. Valdecir Soligo, Programa de pós graduação em educação – PPGE, campus de Cascavel

Doutor em educação, curso de pedagogia, docente do CECA
Programa de pós graduação em educação – PPGE, campus de Cascavel
E-mail: Valdecir_soligo@yahoo.com.br

Referências

SOUZA, R. L., & SILVEIRA, A. M. (2018). Egressos do sistema prisional no mercado formal de trabalho: oportunidade real de inclusão social? Revista de Políticas Públicas, 21(2), 761-780. doi: http://dx.doi.org/10.18764/2178-2865.v21n2p761-779 Acesso em: 30 de set. 2019.

BRASIL. Planalto. Lei nº 7.210, de 11 de Julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210compilado.htm Acesso em: 30 de set. 2019.

MADEIRA, L. M. Trajetórias de homens infames: políticas públicas penais e programas de apoio a egressos do sistema penitenciário no Brasil. 2008. 359 f. Tese (Doutorado) - Curso de Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

BARROS, V. A. A função política do trabalho e a ordem social. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 2, n. 4, p. 51-66, 2005.

BRASIL. Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Plano Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Brasília, outubro de 2015.

RIBAS MACHADO, Érico. A constituição da Pedagogia Social na realidade educacional brasileira. 2010. 242 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Educação, Florianópolis 2010.

FREIRE, Paulo. Política e Educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 2001.

STRECK, Danilo R.; SANTOS, Karine. Educação de Jovens e Adultos: diálogos com a Pedagogia Social e Educação Popular. EccoS Revista Científica, São Paulo, n. 25, p. 19-37, jan./jun 2011.

CLAUDE, Richard Pierre. Direito à educação e educação para os direitos humanos. Revista Internacional de Direitos Humanos, São Paulo, ano 2, n.2, 2005, p.36-63.

PASTORE, J. Trabalho para Ex- Infratores. São Paulo: Saraiva, 2011.

Publicado

2020-02-10

Como Citar

Issler, M., Souza Santos, C., & Soligo, V. (2020). O Trabalho como Instrumento de Ressocialização:: ações no âmbito do Patronato Penitenciário de Cascavel. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 1(1), 187-195. Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/91

Edição

Seção

Relatos de Experiência e Boas Práticas