Das Prisões às Periferias

coexistência de regimes normativos na “Era PCC”

Autores

  • Gabriel de Santis Feltran Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Palavras-chave:

Mundo do crime, PCC, Regimes normativos, Homicídios

Resumo

O artigo argumenta que a violência letal tem sido gerenciada de forma estrita nas periferias de São Paulo durante as últimas décadas. Rompendo com a tese que vê sua “banalização” nas favelas e bairros da periferia, e em contraste com o que ocorre em outras metrópoles brasileiras, apresento três situações etnográficas da ‘era do PCC’ na qual membros do “mundo do crime” interagem de maneira particular com a polícia e os advogados. A descrição verifica modos contemporâneos de gestão da violência, operando um repertório plural de práticas normativas que coexistem nas zonas periféricas de São Paulo, a saber: i) a justiça estatal; ii) a justiça dos tribunais do ‘crime’; iii) a justiça seletiva da polícia e iv) a justiça divina. A etnografia mostra como esse repertório divide diferentes formas de regulação da violência na cidade, que resultaram empiricamente nos diferentes regimes normativos que analisamos no artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel de Santis Feltran, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Etnógrafo urbano. Professor do Departamento de Sociologia e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Pesquisador do Núcleo de Etnografias Urbanas do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referências

ADORNO, Sérgio; SALLA, Fernando. Criminalidade organizada nas prisões e os ataques do PCC. Estudos Avançados: Dossiê Crime Organizado, São Paulo, n. 61, 2007.

BIONDI, Karina. “Junto e Misturado”: uma etnografia do PCC. São Paulo: Terceiro Nome/Fapesp, 2010.

DAS, Veena. The Signature of the State: The Paradox of Illegibility. In: Life and Words: Violence and the Descent into the Ordinary. California University Press, 2006.

FELTRAN, Gabriel de Santis. Fronteiras de tensão: política e violência nas periferias de São Paulo. São Paulo: Editora da Unesp; CEM, 2011.

______. Periferias, direito e diferença: notas de uma etnografia urbana. Revista de Antropologia, v. 53, n. 2, 2010b.

______. Crime e castigo na cidade: os repertórios da justiça e a questão do homicídio nas periferias de São Paulo. Caderno CRH, Salvador: UFBA, v. 23, n. 58, abr. 2010a.

______. Trabalhadores de bandidos: categorias de nomeação, significados políticos. Revista Temáticas, Campinas: Unicamp, a. 30, v. 15, 2008b.

_______. Travailleurs et bandits dans la même famille. In: CABANES, R.; GEORGES, I. (org.). São Paulo: la ville d’en bas. Paris: L’Harmattan, 2009a. (Chapitre 21).

_______. Debats dans le “monde du crime”. In: CABANES, R.; GEORGES, I. (org.). São Paulo: la ville d’en bas. Paris: L’Harmattan, 2009b. (Chapitre 11).

_______. A fronteira do direito: política e violência nas periferias de São Paulo. In: DAGNINO, E; TATAGIBA, L. Democracia, sociedade civil e participação. Chapecó: Argos Editora da Unochapecó, 2007.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 24. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

HIRATA, Daniel Veloso. Sobreviver na adversidade: entre o mercado e a vida. 2010. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós--Graduação em Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

______. Comunicação oral [no] Seminário Crime, Violência e Cidade. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2009. (Mimeo.).

MARQUES, Eduardo; TORRES, Haroldo (org.). São Paulo: segregação, pobreza e desigualdades sociais. São Paulo: Senac, 2005.

MARQUES, Adalton José. “Liderança”, “proceder” e “igualdade”: uma etnografia das relações políticas no Primeiro Comando da Capital. Etnográfica (Lisboa), v. 14, n. 2, p. 311-335, 2010.

______. “Dar um psicológico”: estratégias de produção de verdade no tribunal do crime. In: REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL, 7., 2007, Porto Alegre. CD-ROM VII Reunião de Antropologia do Mercosul.

MACHADO DA SILVA, L. A. Criminalidade violenta: por uma nova perspectiva de análise. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 13, p. 115-124, 1999.

MISSE, Michel. 2010. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 79, p. 15-38, 2010.

______. Crime e violência no Brasil contemporâneo: estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.

NUNES, Camila Dias. Práticas punitivas na prisão: institucionalização do legal e legalização do arbitrário. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPOCS, 32., 2008, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, 2008.

PRO-AIM. Mortalidade no município de São Paulo. Prefeitura Municipal de São Paulo/SEMPLA. Disponível em: http://www.nossasaopaulo.org.br/observatorio/analises_distritos.php?. Acesso em: 20 set. 2010.

TELLES, Vera da Silva; CABANES, Robert (org.). Nas tramas da cidade: trajetórias urbanas e seus territórios. São Paulo: Associação Editorial Humanitas/IRD, 2006.

______. Ilegalismos urbanos e a cidade. Revista Novos Estudos CEBRAP, n. 84, v. 28, n. 2, jul. 2009.

______. A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. São Paulo: Argvmentvm/USP, 2011.

WHYTE, Willian Foote. 2005. A estrutura social do gangsterismo. In: Sociedade de esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

ZALUAR, Alba; RIBEIRO, Ana Paula Alves. 2009. Teoria da eficácia coletiva e violência: o paradoxo do subúrbio carioca. Revista Novos Estudos CEBRAP, n. 84, jan.2009.

______. A máquina e a revolta. São Paulo: Brasiliense, 1985

Publicado

2020-09-03

Como Citar

de Santis Feltran, G. (2020). Das Prisões às Periferias: coexistência de regimes normativos na “Era PCC”. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 1(2), 45-71. Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/dossie2