A Monitoração Eletrônica de Pessoas Presas em Tempos de COVID-19:

o desafio da gestão da política nacional

Autores

  • Susana Inês de Almeida e Silva Departamento Penitenciário Nacional
  • Renato Vieira Tormin Departamento Penitenciário Nacional

Palavras-chave:

monitoramento; pandemia; coronavírus; políticas penitenciárias; sisdepen.

Resumo

O sistema prisional brasileiro sempre encontrou dificuldades para cumprimento integral das legislações correlatas. Com o estopim da pandemia da covid-19, a situação ficou ainda mais complexa. Nesse sentido, o Conselho Nacional de Justiça teceu recomendações com vistas a propiciar o mínimo de atendimento sanitário dentro das prisões. A monitoração eletrônica é um instrumento que proporciona uma alternativa à prisão. Este trabalho procurou analisar a existência de uma evolução na utilização da monitoração eletrônica em presos como uma das medidas para resguardar pessoas em privação de liberdade do coronavírus. Os dados foram extraídos do Sistema de Informações do Departamento Penitenciário Nacional, da coordenação que conduz a política nacional de monitoração eletrônica e do Conselho Nacional de Justiça. Verificou-se um aumento do número total de indivíduos monitorados eletronicamente durante a pandemia de covid-19. O Depen exerce função essencial para o fortalecimento das políticas públicas no contexto prisional e das alternativas à prisão, com a responsabilidade de conduzir a comunicação entre as entidades governamentais que lidam com o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, A. J. M. do; MELLO NETO, B. S.; SANTOS, D. P. Prisões processuais em tempos de covid-19: falso dilema entre preso e sociedade na recomendação n.62/20. Revista Pensamento Jurídico, v. 14, n. 2, p. 88-113, 2020.

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. R.; REYES JR, E. O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea - RAC, v. 14, n. 3, p. 458-477, 2010.

BARROS, P. Aspectos relevantes sobre pena, execução penal e sistema prisional em tempos de covid-19. Revista Direito Diário, v. 3, n. 3, p. 56-71, 2020.

BESERRA, K. M. S. Dignidade da pessoa humana diante da sanção penal e o monitoramento eletrônico sob a ótica dos direitos fundamentais. Revista de Direito Econômico e Socioambiental, v. 4, n. 2, p. 87-106, 2013.

BOTTINI, P. C. Aspectos pragmáticos e dogmáticos do monitoramento eletrônico. Revista da Faculdade de Direito de Uberlândia, v. 36, p. 387-404, 2008.

BRASIL. Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Diário Oficial da União: seção 1, p. 19.699, 13. Out. 1941.

BRASIL. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União: seção 1, p.10.227, 13 jul. 1984.

BRASIL. Lei nº 12.258, de 15 de junho de 2010. Altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), e a Lei no 7.210, de 11 de julho de 1984 (Lei de Execução Penal), para prever a possibilidade de utilização de equipamento de vigilância indireta pelo condenado nos casos em que especifica. Diário Oficial da União: seção 1, p. 60, 16 jun. 2010.

BRASIL. Portaria nº 199, de 9 de novembro de 2018. Aprova o Regimento Interno do Departamento Penitenciário Nacional. Diário Oficial da União: seção 1, edição 218, p. 56, 13 nov. 2018.

BRASIL. Recomendação nº 62, de 17 de março de 2020 do Conselho Nacional de Justiça. Recomenda aos Tribunais e magistrados a adoção de medidas preventivas à propagação da infecção pelo novo coronavírus – Covid-19 no âmbito dos sistemas de justiça penal e socioeducativo. Diário da Justiça Eletrônico: n. 65, p. 2-6, 17 mar. 2020a.

BRASIL. Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Diário Oficial da União: seção 1, edição 27, p. 1, 7 fev. 2020b.

BRASIL. Painel do Coronavírus no Brasil. 2020c. Disponível em: <https://covid.saude.gov.br/>. Acesso em: 02 dez. 2020.

CNJ. Boletim de Monitoramento CNJ Covid-19 - Efeitos da Recomendação nº 62/2020. Conselho Nacional de Justiça, 2020. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/sistema-carcerario/covid-19/monitoramento-cnj/>. Acesso em: 15 dez. 2020.

COSTA, J. S. da; SILVA, J. C. F. da; BRANDÃO, E. S. C.; BICALHO, P. P. G. Covid-19 no sistema prisional brasileiro: da indiferença como política à política de morte. Psicologia & Sociedade, v. 32, p. 1-19, 2020.

DEPEN. Website do Departamento Penitenciário Nacional. 2020a. Disponível em: <https://www.gov.br/depen/pt-br>. Acesso em: 01 dez. 2020.

DEPEN. Painel de Monitoramento dos Sistemas Prisionais. 2020b. Disponível em: <https://www.gov.br/depen/pt-br/assuntos/acoes-contra-pandemia/painel-de-monitoramento-dos-sistemas-prisionais>. Acesso em: 16 dez. 2020.

GOULART, L. N.; VIEIRA, D. M. Construção de um modelo de análise de redes de políticas públicas em contextos de federalismo e de presidencialismo de coalizão. Cadernos EBAPE.BR, v. 18, n. 1, p. 91–103, 2020.

GRIN, E. J.; ABRUCIO, F. Quando nem todas as rotas de cooperação intergovernamental levam ao mesmo caminho: arranjos federativos no Brasil para promover capacidades estatais municipais. Revista do Serviço Público, v. 69, Ed. especial p. 85-122, Dez. 2018.

HILL, M. Implementação: uma visão geral. In: SARAIVA, E.; FERRAREZI. E. (Orgs.). Políticas Públicas - Coletânea, v. 2, Brasília: ENAP, p. 59-61, 2006.

HOWLETT, M.; RAMESH, M; PERL, A. Política Pública, seus ciclos e subsistemas. Rio de Janeiro: Ed. Campus, p. 1-305, 2013.

KLIN, E. H.; KOPPENJAN, J.; TERMEER, K. Managing networks in the public sector: a theoretical study of management strategies in policy networks. Public Administration, v. 73, p. 437-454, 1995.

LOTTA, G. O papel das burocracias do nível da rua na implementação de políticas públicas: entre o controle e a discricionariedade. In: FARIA, C. A (Org). Implementação de Políticas Públicas - Teoria e Prática. Editora PUCMINAS, Belo Horizonte, p.20-49, 2012.

MORAES, R. N. de; SANTOS, A. M. dos; MATTOS FILHO, H. F. M. de; BRAZ, J. P. G. Sistema prisional brasileiro e os direitos fundamentais em tempos de pandemia de covid-19. Encontro de Iniciação Científica - ETIC, v. 16, n. 16, 2020. Disponível em: <http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/ETIC/article/view/8739>. Acesso em: 24 nov. 2020.

PEREIRA, C. J. L.; IANNI, G. C. Pandemia de (in)dignidade: o coronavírus e o estado de coisas inconstitucional do sistema carcerário brasileiro. Ciências Criminais em Perspectiva, v. 1, n. 1, p. 167-214, 2020.

PIMENTA, I. L. A Implementação da Política de Monitoração Eletrônica de Pessoas no Brasil. (Coord.: PIMENTA, V. M.), p. 1-54, 2015.

PIMENTA, I. L. Planos Educacionais para a Monitoração Eletrônica de Pessoas. Modelo de Gestão Depen (Coord.: SOUZA, T. A. de), p. 1-78, 2017a. Disponível em: <http://antigo.depen.gov.br/DEPEN/dirpp/monitoracao-eletronica/modelo-de-gestao/>. Acesso em: 01 dez. 2020.

PIMENTA, I. L. Manual de Gestão para a Política de Monitoração Eletrônica de Pessoas. Modelo de Gestão Depen (Coord.: SOUZA, T. A. de), p. 1-373, 2017b. Disponível em: <http://antigo.depen.gov.br/DEPEN/dirpp/monitoracao-eletronica/modelo-de-gestao/>. Acesso em: 01 dez. 2020.

PIRES, R. R. C.; GOMIDE, A. Á. Governança e capacidades estatais: uma análise comparativa de programas federais. Revista de Sociologia e Política, v. 24, n. 58, p.121-143, 2016.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D. de; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, v. 1, n. 1, 2009.

SANCHEZ, A.; SIMAS, L.; DIUANA, V.; LAROUZE, B. Covid-19 nas prisões: um desafio impossível para a saúde pública? Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n. 5, p. 1-5, 2020.

SANTOS, R. C. C. dos. A prisão domiciliar em tempos de pandemia. Revista de Ciências Jurídicas e Sociais, v. 10, n. 1, p. 81-95, 2020.

Silva, G. P. da. Desenho de pesquisa. Coleção Metodologias de pesquisa. (119 p.) Brasília: Enap. 2018. Disponível em https://cutt.ly/ChYSTm7.

SISDEPEN. Sistema de Informações do Departamento Penitenciário Nacional. 2020. Disponível em: <https://sisdepen.mj.gov.br/sisdepen/seguranca-web/#/autenticacao>. Acesso em: 15 dez. 2020.

SOUZA, R. L.; CORREA, M. A. P. C.; RESENDE, J. M. A monitoração eletrônica de presos no regime aberto e a inclusão no mercado de trabalho. Argumentum, v. 7, n. 1, p. 221-233, 2015.

TRINDADE, A. Estado, governança e segurança pública no Brasil: Uma análise das secretarias estaduais de Segurança Pública. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social. v. 8, n. 4, p. 607-632, Out./Nov./Dez. 2015.

VASCONCELOS, N. P. de; MACHADO, M. R.; WANG, D. W. L. Covid-19 nas prisões: um estudo das decisões em habeas corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo. Revista de Administração Pública, v. 54, n. 5, p. 1472-1485, 2020.

ZANOTTO, A. B.; BERTANI, B. C. Monitoramento eletrônico: uma possibilidade de pena alternativa à prisão. Revista Destaques Acadêmicos, v. 5, n. 2, p. 97-110, 2013.

Publicado

2021-04-08

Como Citar

Almeida, S., & Renato Vieira Tormin. (2021). A Monitoração Eletrônica de Pessoas Presas em Tempos de COVID-19: : o desafio da gestão da política nacional. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 2(1), 41-62. Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/337