UM OLHAR SOBRE OS FILHOS NO CONTEXTO DO ENCARCERAMENTO MATERNO:

Desafios para o sistema prisional

Autores

  • Denise Santana Silva dos Santos UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA
  • Climene Laura de Camargo Universidade Federal da Bahia
  • José Jacinto Branco Vasconcelos Raposo Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
  • Tânia Christiane Ferreira Bispo Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Palavras-chave:

Prisões; Mulheres em privação de liberdade; Sistema Prisional

Resumo

Introdução: O encarceramento feminino traz no seu bojo a abordagem aos filhos. Objetivo: Analisar os desafios do cuidado aos filhos de mulheres em privação de liberdade. Metodologia: estudo descritivo e exploratório de abordagem qualitativa. Realizado no período de setembro de 2018 a julho de 2019 em 02 unidades prisionais femininas no estado da Bahia que possuíam berçário. Participaram 06 mulheres, 15 profissionais de saúde e 09 agentes penitenciárias. Os dados foram coletados através de entrevista semiestruturada e analisado conforme Análise de Conteúdo na modalidade Análise Temática. Resultados: emergiram 03 categorias analíticas: 1) Desafios para realização dos cuidados maternos; 2) Principais entraves vivenciados pelos profissionais de saúde e 3) A criança como desafio para a segurança na prisão. Conclusão: Ter uma criança na prisão durante o encarceramento materno é um desafio vivenciado pelo sistema prisional brasileiro, que deverá criar estratégias de cuidados para esses menores que vivenciam a vulnerabilidade do cárcere junto com suas mães. Nacional de Inteligência Penitenciária permitirá elevar a qualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, AnnyBeatriz Costa Antony de; GONÇALVES, Maria Jacirema Ferreira. Maternidade em regime prisional: desfechos maternos e neonatais. Rev enferm [on line], 2018, vol.12, p. 1763-71.

ARINDE, Edgar Luís; MENDONÇA Maria Helena. Política prisional e garantia de atenção integral à saúde da criança que coabita com mãe privada de liberdade, Moçambique. Saúde Debate Rio de Janeiro, 2019, vol. 43, p. 43-53.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 5 ed. Lisboa: Edições 70; 2011.

BRASIL. Lei n. 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal - LEP. Brasília, 1984. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm>. Acesso em: 18 mar. 2017.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, [1988].

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.

htm>. Acesso em: 18 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.942 de maio de 2009. Assegurar às mães presas e aos recém-nascidos condições mínimas de assistência. Diário oficial da república federativa do Brasil, Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Justiça. Diretoria de Políticas Penitenciárias. Mulheres Presas - Dados Gerais. Projeto Mulheres/DEPEN. Departamento Penitenciário Nacional. Brasília; DF, 2011.

BRASIL. Ministério da Justiça. Dar a luz na sombra: condições atuais e possibilidades futuras para o exercício da maternidade por mulheres em situação de prisão/ Ministério da Justiça, Secretaria de Assuntos Legislativos. Brasília: Ministério da Justiça, IPEA, 2015. Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/201clugar-de-crianca-nao-e-na-prisao-nem-longe-de-sua-mae201d-diz-pesquisa/pesquisa-dar-a-luz-na-sombra-1.pdf. Acesso em: 10 Nov 2019.

BRASIL. Ministério da justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento nacional de informações penitenciarias INFOPEN mulheres. Atualizado em Junho de 2016. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2017. Disponível em:< http://depen.gov.br/DEPEN/noticias-1/noticias/infopen-levantamento-nacional-de-informacoes-penitenciarias-2016/relatorio_2016_22111.pdf > Acesso em: 05 fev 2018.

DIUANA, Vilma; CORRÊA, Marilena Cordeiro Dias Villela; VENTURA, Miriam. Mulheres nas prisões brasileiras: tensões entre a ordem disciplinar punitiva e as prescrições da maternidade. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2017, vol.27, p. 727-747.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FRITZ, Stephanie; WHITEACRE, Kevin. Prison nurseries: Experiences of incarcerated women during pregnancy. Journal of Offender Rehabilitation, 2016, vol. 55, p. 1- 20.

GATÉ Julliete. Le droit d’être mèreen prison. SoinsPediatrPueric, 2015, vol. 36, p. 20-23.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. In: Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. 13 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GOSHIN, Lorie Smith.; ARDITTI, Joyce A.; DALLAIRE, Danielle H.; SHLAFER, Rebeca J.; HOLLIHAN, Allison. An international human rights perspective on maternal criminal justice involvement in the United States. Psychology, PublicPolicy, and Law, 2017, v.23, p. 53-67.

GOSHIN, Lorie Smith. Ethnographic assessment of an alternative to incarceration for women with minor children. Am J Orthopsychiatry, 2015, v. 85, p. 469-482.

HARRIS, Marian S. Incarcerated Mothers: Trauma and Attachment Issues, Smith College Studies in Social Work, 2017, v. 87, p. 26-42.

LEAL, Maria do Carmo; AYRES, Bárbara Vasques da Silva; PEREIRA, Ana Paula Esteves; SÁNCHEZ, Alexandra Roma; LAROUZÉ, Bernard. Nascer na prisão: gestação e parto atrás das grades no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 2016, v.21, n.7, p. 2061- 2070.

LOURENÇO, Arlindo da Silva. O espaço de vida do agente de segurança penitenciária no cárcere: entre gaiolas, ratoeiras e aquários. Curitiba: Jurua, 2011.

MATÃO, Maria Eliane Liégio; MIRANDA, Denismar Borges; MALAQUIAS, Ariana; SOUZA, Eliane Luciana de. Maternidade atrás das grades: particularidades do binômio mãe-filho. RevEnferm Centro-Oeste Min, 2016, v. 6, n. 2, p. 2235-46.

MARES Sarah, ZWI Karen. Sadness and fear: The experiences of children and families in remote Australian immigration detention. J PaediatrChild Health, 2015, v. 51, p. 663-9.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13 ed. São Paulo: Hucitec, 2013.

MORAIS, Pedro R. Bôde. A identidade e o papel de agentes penitenciários. Tempo Social: revista de sociologia da USP, 2013, v. 25, n. 1, p. 1- 17.

RICHTER, Linda M.; DAELMANS, Bernadette; LOMBARDI, Joan; HEYMANN, Jody. et al. Investing in the foundation of sustainable development: pathways to scale up for early childhood development. Lancet, 2017, v. 7, p. 103-118.

STELLA, Claudia. Filhos de Mulheres Presas: soluções e impasses para os seus desenvolvimentos. São Paulo: LCTE, 2006.

SHEHADEH, Amer; LOOTS, Gerrit; VANDERFAEILLIE, Johan; DERLUYN, Ilse. The impact parental on the psychological wellbeing of Palestinian children. Plos One [Internet]. 2015, v. 10, n. 7, p. 1333-47.

WACQUANT, Loic. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

Publicado

2021-09-08

Como Citar

Santana Silva dos Santos, D., Laura de Camargo, C., Jacinto Branco Vasconcelos Raposo, J., & Christiane Ferreira Bispo, T. (2021). UM OLHAR SOBRE OS FILHOS NO CONTEXTO DO ENCARCERAMENTO MATERNO: : Desafios para o sistema prisional. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 2(2). Recuperado de http://rbepdepen.depen.gov.br/index.php/RBEP/article/view/141

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##